» » » » Cobra Coral Falsa – Como Identificar a Falsa Coral

Cobra Coral Falsa – Como Identificar a Falsa Coral

A cobra coral falsa pode ser idêntica a uma coral verdadeira e pode ou não ter veneno. Mesmo se for venenosa, a cobra falsa coral não é tão perigosa quanto a verdadeira, mas mesmo assim recomenda-se fugir de uma em qualquer circunstância. A única parte do corpo que pode verdadeiramente distinguir uma falsa coral da verdadeira são os dentes.


A falsa coral mimetiza (desenvolve as mesmas características de outra espécie como mecanismo de defesa) a coral verdadeira de uma tal maneira que não pode ser reconhecida a olho nu por aqueles que não são especialistas.

Elas fazem isso para que os seus predadores possam confundi-la com a espécie verdadeira e mortal, que é considerada uma das mais perigosas e venenosas do Brasil.

Leia também:

A cobra coral falsa tem veneno?

Em alguns casos, a falsa coral tem veneno, mas não tão letal quanto o da cobra coral verdadeira. Algumas falsas-corais não são venenosas, não possuem dentes inoculadores de veneno, mas podem causar muita dor com sua mordida.


Mesmo assim, as falsas-corais venenosas não conseguem atingir a sua vítima com facilidade, pois seus dentes que injetam o veneno ficam localizados na parte posterior do maxilar superior, ou seja, mais atrás da parte de cima de sua boca (dentição opistóglifa).

Diferença entre coral verdadeira e falsa

A diferença que existe entre a coral verdadeira e a falsa coral é o tipo de dentição.


A coral falsa tem dentição opistóglifa, onde os dentes que injetam veneno ficam na parte de trás da boca, ou áglifa, onde os dentes são maciços e não inoculam veneno. É por isso que as falsas corais oferecem pouco perigo para o homem.

A cobra coral verdadeira possui dentição do tipo proteróglifa, que consiste em dentes pequenos e não retráteis, localizados na parte da frente da boca e inoculam o veneno na vítima.

Características da cobra falsa coral

As características das cobras corais falsas e seus comportamentos podem ser até idênticos às características das corais verdadeiras. Como você já leu, elas mimetizam essas características para amedrontarem os seus predadores. As espécies de cobras corais falsas pertencem às Famílias Dipsidadidae (49 espécies), Colubridae (2 espécies) e Aniliidae (1 espécie).

Cores e Hábitos

As cobras corais falsas podem apresentar as cores vermelha, amarela, preta ou branca em diversos padrões. Não existe um padrão de cores ou anéis pré-determinado para determinar a coral falsa. Elas podem não apresentar todas as cores, mas apenas duas ou três, por exemplo, além de inúmeras disposições em seus anéis.

Sendo assim, a cobra falsa coral poderá ser vermelha e preta, ter cabeça preta e branca e o corpo vermelho, ter a cabeça preta com uma faixa branca, enfim, admitirem todos os estilos de combinações possíveis, assim como as corais verdadeiras, que podem até possuir apenas uma cor em alguns casos devido a mutações genéticas.

Por esses motivos o ditado conhecido que demonstra a facilidade para distinguir uma falsa coral de uma verdadeira está totalmente errado! Não acredite quando ouvir: “Vermelho com amarelo perto, fique esperto. Vermelho com preto ligado, pode ficar sossegado”.

As cobras corais falsas também se valem do aposematismo (desenvolvem cores mais fortes para emitir um sinal de alerta, de que são perigosas) devido à mimetização, mas possuem hábitos fossoriais, ou seja, passam a maior parte do tempo escondidas sobre o solo, sobre troncos e folhagens.

Dentição

Quanto à dentição, as falsas corais possuem dentição opistóglifa (dentes que inoculam veneno ficam na parte de trás da boca) ou áglifa (dentes maciços que não inoculam veneno).

Filhote de cobra coral verdadeira e falsa

Os filhotes de cobras venenosas, como os de cobras corais verdadeiras, já nascem venenosos. Alguns filhotes de corais falsas também podem nascer com veneno, enquanto os que nascem com dentes maciços não produzem veneno e não representam perigo algum. Suas colorações podem mudar até se tornarem cobras adultas. Todos os filhotes independem dos cuidados da mãe desde o nascimento.

Atualizado em: 15/09/2018 na categoria: Colorida, Espécies, Não Peçonhentas