» » » Surucucu – Cobra Bico de Jaca

Surucucu – Cobra Bico de Jaca

A cobra surucucu, cobra pico-de-jaca, bico-de-jaca ou surucucu-de-fogo é a maior serpente venenosa das Américas. Seu nome científico é Lachesis muta e também é conhecida como surucutinga e cobra-topete. Faz parte da família Viperidae (das víboras) e pode ultrapassar os 3 metros de comprimento. No Brasil, é mais encontrada na Floresta Amazônica e Mata Atlântica.

O nome “Surucucu” vem do tupi suruku’ku. “Surucucutinga” e “surucutinga” vêm do tupi suruku’kutinga, “surucucu branca”. Lachesis é uma referência a Láquesis, uma das três moiras mitológicas gregas que decidiam o destino dos seres humanos e dos deuses; Muta (“muda” em latim) é uma referência ao fato de que a surucucu vibra sua cauda como a cascavel faz, porém sem produzir ruído.


Recebeu o nome popular de bico-de-jaca ou pico-de-jaca porque suas escamas possuem elevações cônicas que lembram a casa da fruta jaca.

Características e hábitos da cobra surucucu


A surucucu apresenta, no corpo, desenhos em forma de losangos nas cores amarela e preta. Possui fossetas loreais, que são orifícios situados entre as narinas e os olhos que funcionam como um sensor térmico, e pupilas verticais, indicando que são serpentes de atividade noturna.

É uma espécie terrícola e se alimenta de roedores, como ratos e esquilos, e marsupiais. A cobra surucucu pode chegar aos 3,5 metros de comprimento, sendo considerada a maior serpente venenosa das Américas. Sua dentição é solenóglifa, o tipo de presa mais eficaz para injetar o veneno na vítima.

Como defesa, a surucucu desfere o bote para picar o seu oponente. Ela também eleva a parte da frente de seu corpo, fazendo uma forma de S e vibrando a cauda no chão. No entanto, não é uma cobra agressiva por natureza, picando apenas para se defender.


Como é o veneno da surucucu?

O veneno laquético da surucucu afeta o sangue e a parte neurológica, causando dor, edema e equimose no local da picada, podendo se estender para todo o membro, como braços ou pernas, formação de bolhas, sangramento na gengiva e na urina.

Os sintomas neurológicos incluem diminuição dos batimentos cardíacos e pressão baixa, suor aumentado, enjoos e vômitos, cólicas abdominais e diarreia. A insuficiência aguda provocada pela ação do veneno da surucucu pode levar a vítima à morte.


No Brasil, o soro utilizado para conter o veneno é o antibotrópico-laquético, administrado na veia.

Habitat da surucucu

A surucucu vive em florestas mais densas e pode ser encontrada, principalmente, na Amazônia, mas também na Mata Atlântica, da Paraíba até o norte do Rio de Janeiro, e em matas úmidas do Nordeste.

Reprodução

A surucucu é a única serpente da família das víboras que é ovípara, podendo colocar até 20 ovos. Curiosamente e contra os hábitos das outras serpentes, ela se enrola junto aos ovos como uma forma de protegê-los. Seus filhotes nascem com 40 a 50 cm de comprimento.

Outra espécie do gênero Lachesis encontrada no Brasil é a Lachesis muta rhombeata.

Atualizado em: 26/11/2018 na categoria: Espécies, Peçonhentas