» » A anatomia das cobras

A anatomia das cobras

Existem 2.700 espécies de serpentes conhecidas, e todos os répteis todos compartilham as seguintes características: eles têm corpos finos, lineares e sem membros, são comedores de carne (carnívoros) e são de sangue frio (ectotérmico), ou seja, a temperatura interna varia com a temperatura do meio ambiente.

anatomia das cobras

As cobras parecem lagartos sem pernas por um motivo: os dois répteis compõem a ordem Squamata, que é dividida em subordens Sauria de lagartos e serpentes (ou Ophidia) para cobras. Por causa de sua forma longa, os órgãos das serpentes são dispostos de forma linear, mas eles são de outra maneira similar aos de outros vertebrados, incluindo os humanos. O cérebro é envolto por osso e órgãos sensoriais que estão contidos na cabeça, e as cobras têm quase todos os sentidos que as pessoas possuem, com algumas modificações interessantes:


Audição – Embora as cobras não estejam equipadas com orelhas externas, as ondas sonoras do ar atingem sua pele e são transferidas do músculo ao osso. Quando o som atinge o osso do ouvido sob o crânio, envia vibrações para o ouvido interno, e o som é processado pelo cérebro.

Visão – as cobras não vêem cores, mas seus olhos estão equipados com uma combinação de receptores luminosos: bastonetes que fornecem visão na penumbra, mas difusa e cones que produzem imagens claras. A complexidade dos olhos varia entre as espécies devido ao seu estilo de vida. Por exemplo: as cobras que vivem principalmente no subsolo tem olhos menores e enxgeram em um processo claro e escuro, mas as cobras que vivem acima do solo e caçam pela visão têm visão cristalina e uma boa percepção de profundidade. 

Algumas espécies, especificamente as jibóias e as pítons, têm uma segunda ferramenta visual: órgãos do poço em suas cabeças que conseguem ver fontes de calor em seus arredores, como óculos infravermelhos. Esta é uma habilidade útil para a caça noturna de animais de sangue quente. 

Cheiro – Como seres humanos, cobras respiram cheiros no ar nas aberturas nasais que levam a uma câmara olfatória para o processamento, mas as cobras têm um sistema secundário que funciona muito bem. Quando uma cobra vibra sua língua, ela está juntando partículas de odor para a transferência de dois sacos cheios de líquido no céu da boca, chamados de órgãos de Jacobson, que levam a uma segunda câmara olfatória menor. A língua é utilizada apenas para auxiliar neste processo. Cobras não possuem paladar. 


trato digestivo corre quase todo o comprimento do corpo e inclui a boca, esófago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e ânus. Tudo pode se distender para digerir presas maiores do que o diâmetro de uma cobra. Quando a boca da cobra está cheia, tem que estender sua traquéia (tubo de respiração) com o objetivo de manter a respiração. 

As serpentes não têm um diafragma como as pessoas, de modo que o ar circula de dentro para fora dos pulmões se estreitando pela caixa torácica para empurrar. Depois de cada ciclo respiratório, cobras podem sofrer apneia: uma parada respiratória que dura de alguns segundos ou alguns minutos. Para processar o oxigênio, todas as cobras têm um pulmão direito alongado. Muitas também têm um pulmão esquerdo menor, e algumas até mesmo ter um terceiro pulmão ao longo da traqueia.


 

Atualizado em: 06/05/2013 na categoria: Diversos